LUGAR AO  SOL 

Com a criançada de férias e o verão batendo à porta, as praias começam a lotar. Como um bom personagem de ficção, o Sol tem um lado mocinho – estimulando a produção de vitamina D e combatendo a depressão – e outro bandido – bombardeando o planeta com radiação ultra-violeta. Com informação e precaução, você aproveita o melhor da nossa estrela e ainda evita outros perigos da estação

LUGAR AO  SOL 

Com a criançada de férias e o verão batendo à porta, as praias começam a lotar. Como um bom personagem de ficção, o Sol tem um lado mocinho – estimulando a produção de vitamina D e combatendo a depressão – e outro bandido – bombardeando o planeta com radiação ultra-violeta. Com informação e precaução, você aproveita o melhor da nossa estrela e ainda evita outros perigos da estação

35 POR CENTO

de todos os tumores malignos diagnosticados no Brasil são câncer de pele.

FONTE / INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA) / LEIA A MATÉRIA COMPLETA

35 POR CENTO

de todos os tumores malignos diagnosticados no Brasil são câncer de pele.

FONTE / INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA) / LEIA MATÉRIA COMPLETA

Apenas 43% de toda a luz solar é visível. Enxergamos menos da metade da radiação que o Sol produz. Outros 49% são luz infravermelha, invisível e inofensiva. O restante é luz ultravioleta (ou UV), invisível e perigosa, mas benéfica em baixas quantidades. Mas nem toda radiação UV é igual. Ela é dividida em faixas segundo a energia (e o perigo) que carregam: UVA, UVB e UVC. Como a luz UVC é bloqueada totalmente pela camada de ozônio, temos que nos virar para lidar com as outras duas, mas qual a diferença entre elas?

UVA / estamos expostos a ela praticamente o dia todo e o ano todo, inclusive em dias nublados, dentro de automóveis e embaixo de guarda-sóis, já que boa parte da radiação passa por essas barreiras. Ela atravessa as camadas superiores da pele e atinge as mais profundas, ativando a produção de melanina – uma tentativa do corpo de bloquear a radiação. É isso que faz a gente se bronzear. Com a exposição contínua e excessiva ao longo dos anos, a luz UVA acelera o envelhecimento da pele e pode causar lesões, manchas e até câncer de pele.

UVB / ela tem seu pico de intensidade no verão, entre 10 e 16h. Atinge somente as camadas superiores da pele, mas é muito mais potente e, em poucas horas, causa vermelhidão e queimaduras, além de poder desencadear o aparecimento do câncer de pele mais rapidamente. Por outro lado, é responsável por cerca de 90% da produção da nossa vitamina D, essencial para a saúde dos ossos e dos dentes, além de prevenir doenças como obesidade e diabetes. Moderação é a palavra-chave: se você tem pele clara, 15 minutos de exposição solar diária são suficientes; caso tenha a pele negra, o tempo sobe para 45 minutos a 1 hora.

 

FP o quê?

O fator de proteção solar UVB, o FPS que você vê nas embalagens de cremes e loções, diz respeito principalmente ao tempo (e não intensidade) da proteção. Por exemplo: se sua pele demora 5 minutos para começar a avermelhar sob o sol, um protetor de FPS 30 vai multiplicar esse tempo por 30. Isso quer dizer que você estará protegido por aproximadamente 2 horas e meia. Para os raios UVA, menos perigosos, o fator de proteção deve ser no mínimo 1/3 do FPS. Nas embalagens, a proteção UVA estará citada explicitamente ou sob a sigla PPD (Escurecimento Persistente do Pigmento, em inglês). Na dúvida, prefira sempre fatores mais altos.

Atenção também para a forma de utilização: a pele demora perto de 30 minutos para absorver o protetor. Antes disso, não se exponha porque ele não vai funcionar. Na hora de espalhar, seu corpo deve estar seco e a aplicação deve ser homogênea, cobrindo tudo. Reaplique a cada duas horas, pelo menos. A Sociedade Brasileira de Dermatologia indica que você use:

_ uma colher de chá no rosto, no pescoço e na cabeça
_ uma colher de chá para a parte da frente do tronco e outra para a parte posterior
_ uma colher de chá para cada braço
_ uma colher de chá para a parte da frente de cada perna e outra para a parte de trás

FONTES
/ DERMACLUB /
LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ G1 / LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ PORTAL EDUCAÇÃO / LEIA A MATÉRIA COMPLETA

Apenas 43% de toda a luz solar é visível. Enxergamos menos da metade da radiação que o Sol produz. Outros 49% são luz infravermelha, invisível e inofensiva. O restante é luz ultravioleta (ou UV), invisível e perigosa, mas benéfica em baixas quantidades. Mas nem toda radiação UV é igual. Ela é dividida em faixas segundo a energia (e o perigo) que carregam: UVA, UVB e UVC. Como a luz UVC é bloqueada totalmente pela camada de ozônio, temos que nos virar para lidar com as outras duas, mas qual a diferença entre elas?

UVA / estamos expostos a ela praticamente o dia todo e o ano todo, inclusive em dias nublados, dentro de automóveis e embaixo de guarda-sóis, já que boa parte da radiação passa por essas barreiras. Ela atravessa as camadas superiores da pele e atinge as mais profundas, ativando a produção de melanina – uma tentativa do corpo de bloquear a radiação. É isso que faz a gente se bronzear. Com a exposição contínua e excessiva ao longo dos anos, a luz UVA acelera o envelhecimento da pele e pode causar lesões, manchas e até câncer de pele.

UVB / ela tem seu pico de intensidade no verão, entre 10 e 16h. Atinge somente as camadas superiores da pele, mas é muito mais potente e, em poucas horas, causa vermelhidão e queimaduras, além de poder desencadear o aparecimento do câncer de pele mais rapidamente. Por outro lado, é responsável por cerca de 90% da produção da nossa vitamina D, essencial para a saúde dos ossos e dos dentes, além de prevenir doenças como obesidade e diabetes. Moderação é a palavra-chave: se você tem pele clara, 15 minutos de exposição solar diária são suficientes; caso tenha a pele negra, o tempo sobe para 45 minutos a 1 hora.

 

FP o quê?

O fator de proteção solar UVB, o FPS que você vê nas embalagens de cremes e loções, diz respeito principalmente ao tempo (e não intensidade) da proteção. Por exemplo: se sua pele demora 5 minutos para começar a avermelhar sob o sol, um protetor de FPS 30 vai multiplicar esse tempo por 30. Isso quer dizer que você estará protegido por aproximadamente 2 horas e meia. Para os raios UVA, menos perigosos, o fator de proteção deve ser no mínimo 1/3 do FPS. Nas embalagens, a proteção UVA estará citada explicitamente ou sob a sigla PPD (Escurecimento Persistente do Pigmento, em inglês). Na dúvida, prefira sempre fatores mais altos.

Atenção também para a forma de utilização: a pele demora perto de 30 minutos para absorver o protetor. Antes disso, não se exponha porque ele não vai funcionar. Na hora de espalhar, seu corpo deve estar seco e a aplicação deve ser homogênea, cobrindo tudo. Reaplique a cada duas horas, pelo menos. A Sociedade Brasileira de Dermatologia indica que você use:

_ uma colher de chá no rosto, no pescoço e na cabeça
_ uma colher de chá para a parte da frente do tronco e outra para a parte posterior
_ uma colher de chá para cada braço
_ uma colher de chá para a parte da frente de cada perna e outra para a parte de trás

FONTES
/ DERMACLUB /
LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ G1 / LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ PORTAL EDUCAÇÃO / LEIA A MATÉRIA COMPLETA

DE OLHOS
BEM FECHADOS
Fechar os olhos quando o sol está muito forte é a reação do corpo para proteger a retina

A radiação solar pode provocar lesões na córnea e na retina. A catarata é uma das doenças mais conhecidas. Embora atinja pessoas a partir dos 60 anos, a idade pode baixar para 50 no caso de quem se expôs exageradamente. Ao olhar para o sol ou para o seu reflexo, a retina – que fica no fundo do globo ocular – recebe radiação ultravioleta, os raios UV. Se isso se estender por alguns segundos, a retina literalmente queima e aparecem pequenas feridas. Essa condição se chama fotoqueratite e é uma lesão que dura cerca de 36 horas, marcada por inchaço e incomodo. Se a exposição é repetida ou prolongada, a lesão poderá ser permanente e a pessoa terá uma área escura, como o ponto escuro que se vê após um flash de câmera fotográfica, só que permanente.

Baratinho. E ainda faz mal

Usar óculos com lentes de baixa qualidade não é apenas pior, é muito pior. Passe longe dos camelôs. Só existe um lugar para comprar óculos, nas óticas, claro. Lentes que não tenham proteção em UVA e UVB prejudicam em dobro: a pupila se dilata para compensar a lente escura e assim a retina fica completamente exposta aos raios nocivos. Não existem óculos de 20 reais, esqueça. Chapéus, bonés ou viseiras também são uma boa pedida adicional. Se você toma as providências corretas mas, ainda sim, seus olhos ficam vermelhos após um dia na piscina ou na praia, a dica é usar um soro fisiológico para aliviar a irritação.

FONTES
/ BLOG SAÚDE /
LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ G1 / LEIA A MATÉRIA COMPLETA

DE OLHOS
BEM FECHADOS
Fechar os olhos quando o sol está muito forte é a reação do corpo para proteger a retina

A radiação solar pode provocar lesões na córnea e na retina. A catarata é uma das doenças mais conhecidas. Embora atinja pessoas a partir dos 60 anos, a idade pode baixar para 50 no caso de quem se expôs exageradamente. Ao olhar para o sol ou para o seu reflexo, a retina – que fica no fundo do globo ocular – recebe radiação ultravioleta, os raios UV. Se isso se estender por alguns segundos, a retina literalmente queima e aparecem pequenas feridas. Essa condição se chama fotoqueratite e é uma lesão que dura cerca de 36 horas, marcada por inchaço e incomodo. Se a exposição é repetida ou prolongada, a lesão poderá ser permanente e a pessoa terá uma área escura, como o ponto escuro que se vê após um flash de câmera fotográfica, só que permanente.

Baratinho. E ainda faz mal

Usar óculos com lentes de baixa qualidade não é apenas pior, é muito pior. Passe longe dos camelôs. Só existe um lugar para comprar óculos, nas óticas, claro. Lentes que não tenham proteção em UVA e UVB prejudicam em dobro: a pupila se dilata para compensar a lente escura e assim a retina fica completamente exposta aos raios nocivos. Não existem óculos de 20 reais, esqueça. Chapéus, bonés ou viseiras também são uma boa pedida adicional. Se você toma as providências corretas mas, ainda sim, seus olhos ficam vermelhos após um dia na piscina ou na praia, a dica é usar um soro fisiológico para aliviar a irritação.

FONTES
/ BLOG SAÚDE /
LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ G1 / LEIA A MATÉRIA COMPLETA

PASSANDO
DO PONTO
Não bastassem os raios nocivos,
a temperatura também é um risco

Além de maltratar a pele e os olhos, a exposição excessiva ao sol e ao calor pode provocar insolação. Funciona assim: conforme a temperatura corporal vai passando de 38ºC (sendo que o normal é 36,5 a 37.5ºC), na tentativa de baixá-la, o corpo passa a suar copiosamente, causando desidratação. Se a umidade do ar estiver elevada, o vento fraco ou se a pessoa estiver usando roupas inadequadas, a evaporação do suor fica prejudicada e a temperatura continua subindo, aumentando a desidratação. É um ciclo cruel e perigoso, que pode levar à morte. Por isso, fique atento aos sintomas:

_ sede excessiva
_ secura na boca
_ respiração ofegante e falta de ar
_ pele muito vermelha
_ dor de cabeça
_ tontura
_ náusea
_ aumento da frequência cardíaca
_ perda de consciência
_ febre

O mais importante nesses casos é baixar a temperatura do corpo: vá para um local fresco
e arejado, deite no chão com a cabeça elevada, tente repor a hidratação através da ingestão
de pequenos goles de água fresca e aplique toalhas úmidas no rosto e corpo. Para estimular
a circulação sanguínea, massaje com suavidade algumas zonas do corpo e não tome nenhum medicamento analgésico. Dependendo da gravidade dos sintomas, procure atendimento médico com urgência: a insolação não tratada pode causar lesões graves em órgãos internos vitais, como o cérebro, coração, rins e músculos. Crianças são especialmente vulneráveis.

Para se prevenir, evite se expor ao sol por várias horas seguidas, especialmente entre 10 e 16h; utilize roupas leves, frescas e de algodão, ou aquelas com proteção UV; utilize protetor solar com fator FPS elevado, aplique 30 minutos antes da exposição e renove a cada 2 horas ou ao se molhar; modere a atividade física sob o sol; mantenha-se hidratado e bem alimentado; evite lugares quentes e fechados, como automóveis.

FONTES
/ TUA SAÚDE /
LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ REVISTA CRESCER / LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ ADVANCECARE / LEIA A MATÉRIA COMPLETA

PASSANDO
DO PONTO
Não bastassem os raios nocivos,
a temperatura também é um risco

Além de maltratar a pele e os olhos, a exposição excessiva ao sol e ao calor pode provocar insolação. Funciona assim: conforme a temperatura corporal vai passando de 38º (sendo que o normal é 36,5 a 37.5º), na tentativa de baixá-la, o corpo passa a suar copiosamente, causando desidratação. Se a umidade do ar estiver elevada, o vento fraco ou se a pessoa estiver usando roupas inadequadas, a evaporação do suor fica prejudicada e a temperatura continua subindo, aumentando a desidratação. É um ciclo cruel e perigoso, que pode levar à morte.
Por isso, fique atento aos sintomas:

_ sede excessiva
_ secura na boca
_ respiração ofegante e falta de ar
_ pele muito vermelha
_ dor de cabeça
_ tontura
_ náusea
_ aumento da frequência cardíaca
_ perda de consciência
_ febre

O mais importante nesses casos é baixar a temperatura do corpo: vá para um local fresco
e arejado, deite no chão com a cabeça elevada, tente repor a hidratação através da ingestão
de pequenos goles de água fresca e aplique toalhas úmidas no rosto e corpo. Para estimular
a circulação sanguínea, massaje com suavidade algumas zonas do corpo e não tome nenhum medicamento analgésico. Dependendo da gravidade dos sintomas, procure atendimento médico com urgência: a insolação não tratada pode causar lesões graves em órgãos internos vitais, como o cérebro, coração, rins e músculos. Crianças são especialmente vulneráveis.

Para se prevenir, evite se expor ao sol por várias horas seguidas, especialmente entre 10 e 16h; utilize roupas leves, frescas e de algodão, ou aquelas com proteção UV; utilize protetor solar com fator FPS elevado, aplique 30 minutos antes da exposição e renove a cada 2 horas ou ao se molhar; modere a atividade física sob o sol; mantenha-se hidratado e bem alimentado; evite lugares quentes e fechados, como automóveis.

FONTES
/ TUA SAÚDE /
LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ REVISTA CRESCER / LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ ADVANCECARE / LEIA A MATÉRIA COMPLETA

ALERTA
VERMELHO
Outros perigos do verão
que podem estragar seu dia

Se você é daqueles que não podem ver uma barraquinha de camarão na praia, más notícias: as famosas comidinhas de praia são uma das maiores causas de intoxicação no verão. Por isso, na hora de recorrer aos quiosques e ambulantes, atente-se à qualidade dos alimentos para afastar os riscos de náuseas, diarreia e dores abdominais: identifique o odor e aparência do prato escolhido, assim como sua data de validade, caso seja possível. Preste atenção também na higiene do vendedor. Verifique se ele ou ela usa luvas, se não manipula dinheiro e comida ao mesmo tempo, se os seus cabelos estão protegidos e se suas unhas estão bem cortadas.

Uma boa alternativa é fazer o cardápio em casa, garantindo que os alimentos estejam frescos e bem higienizados. Transporte-os embalados em bolsas térmicas forradas com gelo, já que a temperatura elevada aumenta a multiplicação de microorganismos. Veja algumas sugestões que podem dar um belo lanche de praia:

_ frutas leves como maçã, uva, cereja e tangerina
_ vegetais como cenoura baby, pepino cortado em tiras finas ou tomate-cereja
_ sanduíches naturais
_ mix de frutas desidratadas e nozes
_ barras de cereais
_ cookies integrais ou biscoito de polvilho, com moderação

Campo minado

Muito cuidado onde se banha e onde pisa: a água ou areia contaminadas pelo esgoto podem ter bactérias que causam diarreia e outros incômodos; já a areia seca pode ter parasitas e larvas, principalmente por causa das fezes de animais como cães, gatos e aves. Outro perigo são os materiais perfurantes: cacos de vidro, peças de metal e até mesmo pregos. Por fim, águas-vivas, espinhos e barbatanas de peixes podem estar escondidas no mar, ou na areia, à espera de um banhista desavisado. Por isso, adote algumas precauções:

_ quando for caminhar pela praia, use chinelos ou sandálias
_ se for correr, não dispense o tênis
_ não frequente praias consideradas impróprias para banho
_ após chuvas fortes, não frequente praias que recebem água de rios
_ evite a ingestão de água do mar
_ não leve animais à praia

FONTES
/ TUA SAÚDE /
LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ REVISTA CRESCER / LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ CONQUISTE SUA VIDA / LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ GNT / LEIA A MATÉRIA COMPLETA

HOMEM AO MAR
Muita gente não faz ideia do que são as correntes de retorno, também conhecidas como valas ou repuxos. Elas fazem milhares de vítimas todos os anos nas praias do Brasil. Não seja uma delas.
ALERTA
VERMELHO
Outros perigos do verão que podem estragar seu dia

Se você é daqueles que não podem ver uma barraquinha de camarão na praia, más notícias: as famosas comidinhas de praia são uma das maiores causas de intoxicação no verão. Por isso, na hora de recorrer aos quiosques e ambulantes, atente-se à qualidade dos alimentos para afastar os riscos de náuseas, diarreia e dores abdominais: identifique o odor e aparência do prato escolhido, assim como sua data de validade, caso seja possível. Preste atenção também na higiene do vendedor. Verifique se ele ou ela usa luvas, se não manipula dinheiro e comida ao mesmo tempo, se os seus cabelos estão protegidos e se suas unhas estão bem cortadas.

Uma boa alternativa é fazer o cardápio em casa, garantindo que os alimentos estejam frescos e bem higienizados. Transporte-os embalados em bolsas térmicas forradas com gelo, já que a temperatura elevada aumenta a multiplicação de microorganismos. Veja algumas sugestões que podem dar um belo lanche de praia:

_ frutas leves como maçã, uva, cereja e tangerina
_ vegetais como cenoura baby, pepino cortado em tiras finas ou tomate-cereja
_ sanduíches naturais
_ mix de frutas desidratadas e nozes
_ barras de cereais
_ cookies integrais ou biscoito de polvilho, com moderação

Campo minado

Muito cuidado onde se banha e onde pisa: a água ou areia contaminadas pelo esgoto podem ter bactérias que causam diarreia e outros incômodos; já a areia seca pode ter parasitas e larvas, principalmente por causa das fezes de animais como cães, gatos e aves. Outro perigo são os materiais perfurantes: cacos de vidro, peças de metal e até mesmo pregos. Por fim, águas-vivas, espinhos e barbatanas de peixes podem estar escondidas no mar, ou na areia, à espera de um banhista desavisado. Por isso, adote algumas precauções:

_ quando for caminhar pela praia, use chinelos ou sandálias
_ se for correr, não dispense o tênis
_ não frequente praias consideradas impróprias para banho
_ após chuvas fortes, não frequente praias que recebem água de rios
_ evite a ingestão de água do mar
_ não leve animais à praia

FONTES
/ TUA SAÚDE /
LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ REVISTA CRESCER / LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ CONQUISTE SUA VIDA / LEIA A MATÉRIA COMPLETA
/ GNT / LEIA A MATÉRIA COMPLETA

HOMEM AO MAR
Muita gente não faz ideia do que são as correntes de retorno, também conhecidas como valas ou repuxos. Elas fazem milhares de vítimas todos os anos nas praias do Brasil. Não seja uma delas.

“É o mesmo sol que derrete a cera e seca a argila.”

Antoine de Saint-Exupéry, 1900 – 1944, escritor francês

“É o mesmo sol que derrete a cera e seca a argila.”

Antoine de Saint-Exupéry,
1900 – 1944, escritor francês

CURTIU? COMPARTILHE COM AMIGOS

CURTIU? COMPARTILHE COM AMIGOS

© 2018, It’sSeg Seguros Inteligentes.

© 2018, It’sSeg Seguros Inteligentes.