D&I | 24.MAIO.2022

Construindo uma estratégia de neurodiversidade no trabalho

Embora as iniciativas de diversidade e inclusão tenham feito grandes avanços em termos de gênero, raça, sexualidade, credo, nacionalidade e muito mais, há uma população que ainda está visivelmente ausente da maioria das estratégias de D&I: trabalhadores neurodivergentes.

E, no entanto, 15-20% da população mundial é neurodivergente. O que significa que você provavelmente está gerenciando e/ou trabalhando com colegas neurodivergentes, quer você perceba ou não.

Apesar da prevalência da neurodiversidade, a maioria das empresas não a inclui em suas agendas mais amplas de D&I. De fato, de acordo com o Movimento NDGIFTS, uma pesquisa de 2018 “mostra que 72% dos profissionais de RH não consideram a neurodiversidade em suas práticas de gestão de pessoas”.

Essa é uma enorme oportunidade desperdiçada. Se uma grande parte de sua força de trabalho está lutando para atingir todo o seu potencial – ou pior, eles nunca conseguiram passar por seu processo de contratação orientado a neurotípicos – sua empresa sofrerá.

 

O que é neurodiversidade no trabalho?

Quando falamos de neurodiversidade no trabalho, geralmente estamos falando de diferenças cognitivas invisíveis. Isso pode incluir autismo, TDAH, dislexia, síndrome de Tourette, entre outros.

Como disse a Dra. Nancy Doyle, psicóloga organizacional especializada em neurodiversidade no trabalho, em um episódio do podcast Digital HR Leaders: “A ideia de neurodiversidade é que há diversidade neurológica na espécie humana, da mesma forma que há diversidade em nossa altura, em nossa agilidade, em nossas personalidades”.

Como resultado, os funcionários neurodivergentes trazem muitos conjuntos de habilidades sob demanda para o local de trabalho, incluindo inovação, criatividade, pontos de vista não filtrados, pensamento analítico, sistematização e capacidades técnicas e muito mais.

Pergunte a si mesmo: como líder de RH, você pode se dar ao luxo de não aprender a acomodar melhor as necessidades de funcionários neurodivergentes?

 

Como incluir a neurodiversidade no trabalho?

Há muitas maneiras de acomodar a neurodiversidade no local de trabalho e, às vezes, pode ser difícil saber por onde começar. Afinal, algumas adaptações para funcionários autistas podem entrar em conflito com as adaptações para funcionários com TDAH, por exemplo. Tal como acontece com todos os funcionários, a chave está em adaptar as necessidades de forma individual.

Também é importante lembrar que acomodar a neurodiversidade no trabalho vai além da contratação. Trata-se também de interromper o preconceito e ajudar as pessoas neurodivergentes que você já tem, que podem não ter divulgado sua deficiência por causa de estigma.

Mas talvez a coisa mais importante que você pode fazer, como líder de RH, é aprender com especialistas no assunto. Isso pode incluir grupos, projetos e pesquisas.

Independentemente dos desafios, como a adaptação de processos padronizados, os benefícios dos talentos únicos e altamente procurados de um funcionário neurodivergente superam em muito as mudanças simples que você pode fazer para otimizar seu desempenho no trabalho.

 

Benefícios da neurodiversidade para os negócios

Em geral, as empresas que têm uma forte cultura de diversidade e inclusão têm melhores resultados de negócios. Elas atraem grandes talentos, têm taxas de retenção mais altas, relatam maior envolvimento dos funcionários, são mais inovadores e têm maior satisfação do cliente.

Além disso, se uma em cada cinco pessoas é neurodivergente, isso significa que uma parcela significativa do seu público-alvo é neurodivergente. Se você contrata apenas trabalhadores neurotípicos, ou se suas práticas de contratação e retenção excluem de alguma forma a neurodiversidade, você corre o risco de fazer produtos e serviços que não são acessíveis a 15-20% do seu mercado.

É aí que entra a análise de pessoas. Os líderes de RH estão em uma posição única para usar dados (como uma análise de rede organizacional) e tecnologia de D&I, a fim de melhorar a diversidade e a inclusão no local de trabalho, acompanhar o progresso e vinculá-lo a linha de fundo.

Na verdade, uma pesquisa recente da Insight222 confirma que a diversidade e a inclusão, o envolvimento e a escuta dos funcionários, são duas das áreas em que as equipes de análise de pessoas estão experimentando um crescimento acelerado.

 

Empresas com uma estratégia de força de trabalho neurodiversa

Cada vez mais empresas estão começando a se concentrar em ser mais inclusivas para pessoas neurodivergentes. Em muitos casos, esses esforços incluem contratação específica e programas para trabalhadores neurodivergentes, muitas vezes em parceria com os principais especialistas e organizações especializadas em neurodiversidade no trabalho.

Aqui estão alguns exemplos de empresas com estratégias de força de trabalho neurodiversa:

1. Microsoft

A Microsoft é um ótimo exemplo de atendimento às necessidades de indivíduos neurodivergentes no local de trabalho. A Dra. Nancy Doyle, citada acima, trabalha com a Microsoft em suas iniciativas de diversidade e inclusão.

No lado do produto, eles adicionaram recursos mais inclusivos às suas ferramentas, por exemplo, legendas ocultas automáticas em tempo real ou legendas no PowerPoint, que podem ser úteis para surdos e pessoas com TDAH. No lado da contratação, a Microsoft oferece seu Programa de Contratação de Neurodiversidade (originalmente lançado como Programa de Contratação de Autismo em 2015) que Doyle disse ter sido bem-sucedido e, agora, está evoluindo para ser mais interseccional e inclusivo para todos os indivíduos neurodivergentes.

2. Goldman Sachs

Em 2019, a Goldman Sachs lançou sua Iniciativa de Contratação de Neurodiversidade, um programa de estágio remunerado de oito semanas para pessoas neurodivergentes. A Goldman Sachs faz parceria com a Specialisterne, uma organização sem fins lucrativos focada na integração de pessoas neurodivergentes no local de trabalho, para buscar candidatos, fornecer treinamento e construir o programa (atualmente virtual).

3. SAP

A SAP lançou seu programa Autism at Work em 2013. De acordo com a SAP, o programa “aproveita uma fonte de talentos subutilizada, reduzindo as barreiras de entrada para que indivíduos qualificados possam desenvolver plenamente seu potencial”. A SAP também é uma das quatro empresas com programas de contratação de autismo que fizeram parceria com a Escola de Informação da Universidade de Washington para criar o Autism @ Work Playbook.

4. Deloitte

A Deloitte também faz parceria com a Specialisterne para identificar e treinar candidatos para seu programa de aprendizado de três meses (Neurodiversity@Deloitte), que inclui uma oportunidade de trabalho em período integral após a conclusão bem-sucedida do aprendizado. A Deloitte publicou recentemente um artigo interessante sobre por que contratar e estimular talentos neurodivergentes é bom para os negócios.

5. Google Cloud

O Google Cloud lançou seu Programa de Carreira de Autismo, em 2021, e fez parceria com o Stanford Neurodiversity Project, que fornece serviços de consultoria a empregadores e ajuda a treinar indivíduos neurodivergentes no local de trabalho. Um dos principais objetivos do Google Cloud com este programa é “treinar até 500 gerentes e outros envolvidos em processos de contratação”.

Com o movimento da neurodiversidade no trabalho ganhando mais força, sem dúvida haverá mais exemplos excelentes a seguir, em breve.

*Artigo publicado originalmente no blog My HR Future

Quer ler mais artigos como esse? Cadastre-se para receber a nossa newsletter e fique por dentro das novidades no Portal RH.

Três maneiras de ser um aliado no local de trabalho